26/08/2019

Emergência correta aos acidentes com queda de altura.

Emergência correta aos acidentes com queda de altura. A norma regulamentadora 35 (NR 35), de segurança para trabalhos em altura, estabelece que a empresa promova capacitação e treinamento aos trabalhadores que executam atividades acima de dois metros do nível do solo. Além disso, há várias medidas de prevenção aos riscos de quedas, o que não impede que algumas emergências aconteçam. Portanto, há também um conjunto de medidas que devem ser previamente tomadas para atuar nesses casos.


Emergência correta aos acidentes com queda de altura.

Emergência correta aos acidentes com queda de altura.

A norma regulamentadora 35 (NR 35), de segurança para trabalhos em altura, estabelece que a empresa promova capacitação e treinamento aos trabalhadores que executam atividades acima de dois metros do nível do solo. Além disso, há várias medidas de prevenção aos riscos de quedas, o que não impede que algumas emergências aconteçam. Portanto, há também um conjunto de medidas que devem ser previamente tomadas para atuar nesses casos.

Primeiramente, deve-se contar com equipe, interna ou externa, para respostas a emergências para trabalho em altura, capaz de executar o resgate e prestar os primeiros socorros. Todos da equipe devem conhecer o plano de ação de emergência, assim como o acidente deve ser informado ao Serviço Especializado de Engenharia e Medicina do Trabalho (Sesmt), ou Recursos Humanos.

Se a queda foi ocasionada por perda de consciência do trabalhador, ficando ele dependurado e equipado com cinturão de segurança, o resgate deve ser o mais rápido possível, para que ele não venha a ter síndrome da suspensão inerte, que comprime os vasos sanguíneos e provoca problemas de circulação que podem levá-lo a morte se o resgate não for realizado prontamente. A vítima não deve ser deitada, seja durante o resgate ou quando chegar ao chão. O correto é deixá-la na posição sentada, por 20 minutos, mesmo se estiver inconsciente. Os procedimentos adequados são essenciais, para não agravar as lesões e deixar sequelas. Deve-se sempre utilizar colar cervical no acidentado e apoiá-lo em prancha rígida, depois dos 20 minutos.